Ars Erotica

O erótico escorre. desliza em seiva de árvore, goteja em suor de virilha, espalha em odor de fruta madura, nucas, entrecoxas e axilas. essa coluna versa sobre o corpo e suas conexões: de vértebras, de afetos, de arrastar de peles, de misturas de saliva, fluidos e gozos. começa e termina no corpo, sem trajetória certa, com mapas rasgados e passos (ou arrastar de dedos e línguas) trôpegos e inebriados. por falar de corpos, fala de política, do enfrentamento de opressões que se dá no desvio dos discursos, dos desejos e das posições ordenadas. o erótico é campo de batalha, escorre para além dos territórios de domínios criando novas veredas, ao mesmo tempo que se joga contra o próprio poder, provoca-o e o contamina.

Filtrar Título 

Exibir # 
# Título do Artigo Data Autor Acessos
1 vértebra quinta: a intimidade Sáb, 09 de Julho de 2011 felipe areda 1765
2 vértebra quarta: os cheiros Qua, 16 de Fevereiro de 2011 felipe areda 2335
3 vértebra terceira: a entrega Dom, 30 de Janeiro de 2011 felipe areda 3575
4 vértebra segunda: a desordem Seg, 15 de Novembro de 2010 felipe areda 4566
5 vértebra primeira: a singularidade Seg, 01 de Novembro de 2010 felipe areda 16847

+ lidos Últimos 7 dias

+ lidos Últimos 30 dias

+ lidos do Ano